Parceiro

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Milho transgênico perde eficácia contra pragas

[EcoDebate] Pragas do milho, nos EUA, podem ter desenvolvido resistência ao defensivo desenvolvido para ser aplicado no milho geneticamente modificado YieldGard. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA anunciou, na semana passada, que pretende investigar a resistência da praga.

transgênicosVerme da raiz do milho ocidental (Diabrotica virgifera virgifera) é uma das pragas mais agrícolas prejudiciais nos EUA. Eles prejudicam a capacidade de milho em absorver água e nutrientes do solo, diz Michael Gray , da Universidade de Illinois em Urbana. 
O impacto econômico dos insetos, em termos de danos às culturas e o custo de pesticidas, costumava ser cerca de US $ 1 bilhão por ano, até que a empresa de biotecnologia Monsanto introduziu sua variedade de milho transgênico resistente ao inseticida Cry3Bb1 em 2003.
O acompanhamento e controle de aplicação, recentemente, mostrou que o verme da raiz do milho ocidental, em duas fazendas de Illinois, desenvolveram resistência a Cry3Bb1, um inseticida produzido pela Monsanto para o milho geneticamente modificado YieldGard  ( PLoS One , doi.org/d5mqwn ).
Vermes resistentes poderima prejudicar ainda mais as culturas de milho, que já sofreram graves perdas com o verão mais quente, mais seco do Centro-Oeste, em mais de 70 anos. Os preços do milho estão em um nível recorde, apesar dos agricultores americanos terem plantado a maior área cultivada de milho desde 1937, segundo o Departamento de Agricultura .
A variedade de milho transgênico YieldGard foi plantada em mais de 150.000 Km2 de terras agrícolas dos EUA no ano passado. Em um comunicado oficial , a Monsanto afirma que não há evidências de que os vermes resistentes ao inseticida estejam se alastrando.
O eventual desenvolvimento de pragas resistentes foi um dos argumentos utilizados pelos críticos aos transgênicos.
Ainda, nesta semana, o milho transgênico também esteve sob pesadas críticas pela sua toxidade. Os ratos alimentados com organismos geneticamente modificados (OGM) morrem antes e sofrem de câncer com mais frequência do que os demais roedores, destacou um estudo [Long term toxicity of a Roundup herbicide and a Roundup-tolerant genetically modified maizehttp://dx.doi.org/10.1016/j.fct.2012.08.005 ] publicado nesta quarta-feira pela revista “Food and Chemical Toxicology”, que considerou “alarmantes” os resultados, criticados por especialistas favoráveis a esse tipo de organismo.
EcoDebate, 27/09/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros

Parceiros