Parceiro

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Bisfenol-A (BPA) é relacionado a alterações hormonais da tireóide em mulheres grávidas e recém-nascidos



Infográfico: Correio Braziliense

Bisfenol-A (BPA)[EcoDebateBisfenol-A (BPA), um composto químico reconhecidamente classificado como um dos Disruptores endócrinos, ou também denominados de Desreguladores endócrinos, tem sido associado a mudanças nos níveis de hormônio tireoidiano em mulheres grávidas e meninos recém-nascidos, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Califórnia , Berkeley.
Função tireoidiana normal é essencial para o crescimento saudável e o desenvolvimento cognitivo de fetos e crianças. No entanto, até o presente estudo[ Maternal Urinary Bisphenol A during Pregnancy and Maternal and Neonatal Thyroid Function in the CHAMACOS Study], publicado quinta-feira, 4 de outubro na revista Environmental Health Perspectives, pouco se sabia sobre os efeitos da exposição ao BPA sobre os hormônios tireoidianos em mulheres grávidas e recém-nascidos.
As novas descobertas acrescentam novos dados às crescentes preocupações de saúde em relação ao Bisfenol-A (BPA), uma substância química encontrada em plásticos rígidos, forros de alimentos enlatados, selantes dentários, e, até mesmo, nos recibos de vendas em papel térmico, que é revestido com um produto químico que muda de cor quando exposto ao calor.
Em julho, a FDA (Food and Drug Administration) proibiu oficialmente o produto químico em mamadeiras e copos, algo que a indústria começou a fazer voluntariamente nos últimos anos, em resposta às preocupações dos consumidores sobre os riscos potenciais do BPA.
Os pesquisadores analisaram níveis de BPA em amostras de urina de 335 mulheres durante a segunda metade da gravidez em relação aos níveis de hormônio tireoidiano em amostras de sangue tiradas das mães durante a gravidez e do recém-nascido, poucos dias após o nascimento.
Os pesquisadores descobriram que, para cada duplicação dos níveis de BPA, houve uma redução associada de 0,13 microgramas por decilitro de tiroxina total (T4) em mães durante a gravidez, o que sugere um efeito de hipotireoidismo. Para os meninos recém-nascidos, cada duplicação dos níveis de BPA foi associado a uma diminuição em 9,9 % do hormônio estimulante da tireóide (TSH), indicando um efeito hipertireoidismo.
“A maioria das mulheres e recém-nascidos em nosso estudo tinham níveis de hormônios da tireóide dentro de uma faixa normal, mas quando se considera o impacto destes resultados ao nível da população, temos preocupações com uma mudança na distribuição, que afetaria aqueles no limite, “, disse o principal autor, Jonathan Chevrier, epidemiologista e pesquisador no UC Berkeley’s Center for Environmental Research and Children’s Health (CERCH). “Além disso, estudos sugerem que pequenas mudanças no nível da tireóide, mesmo se eles estão dentro dos limites normais, ainda podem ter um efeito cognitivo”.
Não ficou claro por que uma associação não foi encontrada entre as meninas recém-nascidas, mas estudos em animais pode dar algumas pistas. Um estudo realizado em ratos recém-nascidos encontraram um efeito similar de hipertireoidismo em homens, mas não nas mulheres. Outro estudo descobriu que as fêmeas tinham níveis mais elevados de uma enzima importante no metabolismo do BPA, quando comparados com os seus homólogos masculinos. Mas, se a mesma relação vale para os seres humanos ainda não é claro.
“Além disso, estudos em roedores são cada vez mais mostrando que o BPA pode ter efeitos diferentes em homens e mulheres, especialmente no desenvolvimento do cérebro e comportamento”, disse o autor sênior do estudo, Kim Harley, professor adjunto da saúde pública e diretor associado do Cerch.
Os pesquisadores salientaram que vários estudos em anos recentes têm ligado níveis mais baixos de hormônios tireoidianos aos atrasos no desenvolvimento cognitivo e motor em crianças pequenas.
Dois anos atrás, o mesmo grupo de pesquisadores da UC Berkeley também descobriu ligações entre difenil éteres polibromados (PBDEs), uma classe de retardadores de chama, e as mudanças nos níveis de hormônio da tireóide.
Eles estavam confiantes de que o BPA estava agindo sobre os hormônios tireoidianos independentemente de PBDEs, porque os níveis dos dois compostos não foram correlacionados.
“Há uma boa razão para se preocupar PBDEs e BPA, porque ambos os compostos são onipresentes em nosso ambiente”, disse Harley. “Mais de 90 % das mulheres em idade reprodutiva têm níveis detectáveis de BPA na urina, e aproximadamente 97 % dos americanos têm níveis detectáveis de PBDEs em seu sangue. Até que se saiba mais sobre os efeitos destes produtos químicos na saúde humana, faria sentido para ser mais cauteloso e evitar a exposição quando possível, particularmente para aquelas que estão grávidas. ”
Chevrier J, Gunier RB, Bradman A, Holland NT, Calafat AM, Eskenazi B, Harley KG.
Maternal Urinary Bisphenol A during Pregnancy and Maternal and Neonatal Thyroid Function in the CHAMACOS Study.
Environ Health Perspect (): .doi:10.1289/ehp.1205092

Abstract

Background: Bisphenol A is widely used in the manufacture of polycarbonate plastic bottles, food and beverage cans linings, thermal receipts and dental sealants. Animal and human studies suggest that BPA may disrupt thyroid function. Although thyroid hormones play a determinant role in human growth and brain development, no studies have investigated relations between BPA exposure and thyroid function in pregnant women or neonates.
Objective: To evaluate whether exposure to BPA during pregnancy is related to thyroid hormone levels in pregnant women and neonates.
Methods: We measured BPA concentration in urine samples collected during the first and second half of pregnancy in 476 women participating in the CHAMACOS study. We also measured free thyroxine (T4), total T4 and thyroid-stimulating hormone (TSH) during pregnancy, and TSH in neonates.
Results: The association between the average of the two BPA measurements and maternal thyroid hormone levels was not statistically significant. Of the two BPA measurements, only the measurement taken closest in time to the TH measurement was significantly associated with a reduction in total T4 (β=-0.13 Hg/dL per log2 unit; 95%CI=-0.25, 0.00). The average of the maternal BPA concentrations was associated with reduced TSH in boys (-9.9% per log2 unit; 95%CI=-15.9%, -3.5%) but not in girls. Among boys, the relation was stronger when BPA was measured in the third trimester of pregnancy and decreased with time between BPA and TH measurements.
Conclusion: Results suggest that exposure to BPA during pregnancy is related to reduced total T4 in pregnant women and decreased TSH in male neonates. Findings may have implications for fetal and neonatal development.
Citation: Chevrier J, Gunier RB, Bradman A, Holland NT, Calafat AM, Eskenazi B, Harley KG. Maternal Urinary Bisphenol A during Pregnancy and Maternal and Neonatal Thyroid Function in the CHAMACOS Study. Environ Health Perspect (): .doi:10.1289/ehp.1205092
Received: February 13, 2012; Accepted: September 25, 2012; Published: October 4, 2012
Do EcoDebate, com informações de Sarah Yang, da University of California – Berkeley .
EcoDebate, 08/10/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros

Parceiros