Parceiros

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A seca, o sertão e a cerca, artigo de Egon Heck

semiárido 

“O semiárido nordestino de hoje talvez seja o planeta terra de amanhã, caso não forem tomadas providencias urgentes, desde os hábitos pessoais, até as políticas públicas nacionais com relação à água”. O comentário é de Egon Heck em artigo sobre o sertão nordestino em seu blog, 10-02-2013.
Eis o artigo.
Tive a feliz oportunidade de conhecer um pouco do sertão nordestino nesta seca e as primeiras chuvas. Pude sentir e partilhar o milagre da vida, com a caatinga verdejando, os barreiros e açudes sangrando, e ver  a alegria voltando a galope no sertão. A reza e a fé do sertanejo são inquebrantáveis.
“Nois até que se vira, acha uma comidinha aqui, uma aguinha acolá, mas quem mais sofre com a seca é os animal. Coitado dos bichinho não tem muitas vezes pra onde se socorrer. Acaba morrendo…” Essa expressão de dor e compreensão da vida nos revela um pouco o sentimento do sertanejo calejado pela seca e que ama os seres que o rodeiam como ama o seu próximo.
Lago dos Amaro, no caminho entre Exu e a serra do Araripe
Vi muita cerca renovada, vi muitos casarões abandonados, senti a esperança brotando por entre as fendas do solo ressequido e vi sertanejos, como seu Tuntum, retorcidos pelo tempo e sofrimento, cheios de sabedoria e não desesperançados. Nem urubu dá conta. Doía o coração ver os barreiros e açudes secos, os rios, como o Brigida, sem água, apenas um leito de pedras indicando que ali era um rio.

O bode, o jumento e o boi
A imagem que mais choca é ver centenas de cabeças de gado apodrecendo na beira da estrada. De Exu a Ouricori, o cenário era desolador.
Não sendo um especialista na questão, partilho uma reflexão que o companheiro Gogó fez, comentando a seca e o sertão. ” De fato, o gado bovino tem sofrido e morrido em quantidade nessa seca. Mas, essa é uma questão superada para o movimento social que defende a convivência com o semiárido, isto é, essa região nunca foi local adequado para se criar bois e vacas. Há uma comparação feita pelos educadores populares nos cursos de formação com uma estatística bem simples: um boi come por sete bodes, bebe por sete bodes, ocupa o espaço de sete bodes. Quando morre um boi, morre o equivalente a sete bodes.
De fato, quando se encontrar um bode morto de fome ou sede no sertão, é porque ali já não sobrou uma alma viva. Nessa seca os bois estão morrendo, os bodes estão gordos. O animal é adaptado, suporta as secas, mesmo que sua criação seja contestada por muitos técnicos como sendo um animal daninho e ameaçador da biodiversidade. Mas isso – dizem os técnicos do movimento social – é um problema de manejo, não de adaptação.” 22/01/2013 – Roberto Malvezzi (Gogó)
Bem ilustra esse quadro um caso que seu Welington nos contou, a propósito da seca e desanimo de vários sertanejos dessa região da caatinga, do sertão pernambucano, do semiárido. “Meu amigo José de Pedro, já velho, aposentado, trabalhou a vida toda pra reuni um gadinho. Trabalhou 40 anos de sol a sol.Conseguiu mil cabeças de gado. Veio a seca braba desse ano e o resultado foi que seiscentas morreram. Sobrou apenas um gadinho magro e dívida no banco.”  Esse é um dos muitos fatos semelhantes que ilustram a forte migração para as cidades, e a difícil sobrevivência da economia baseada no gado.
Outro exemplo que fomos ver é  a Fazenda Uruguai . Outrora foi uma próspera propriedade onde se produzia, além de gado, cana , cachaça e muitos alimentos. Hoje a falda casa das setenta janelas, é alvo de assombrações e abandono.
O maior abandonado  encontrado com frequência nas beiras das estradas é o lendário jumento. Depois de sua secular contribuição , na escravidão e na liberdade,  ele agora está jogado à sua sina na beira das estradas. Decididamente o “cavalo de ferro”, a moto, e outros arautos metais do progresso, estão levando os jumentos a figuras lendárias de um tempo que já foi. Andando por estradas do nordeste, quando se ve um veículo dando sinal de luz pode  esperar  jumentos logo adiante. E cuidado, pois quando decidem atravessar o asfalto o fazem ser temor, de cabeça baixa. O jumento tão decantado pelos poetas nordestinos e na voz de Luiz Gonzaga, agora parece caminhar celeremente para a fila da aposentadoria compulsória.
Pluviômetro – chuva e conversa sob medida
chamou atenção foi um pequeno aparelho que em outras partes do país nem se houve falar – é o medidor da chuva, o pluviômetro. Cuidadosamente instalado da maioria dos terrenos e casas, ele é o puxador do assunto mais importante no sertão, pois mede e presenteia o sertanejo com o que há de mais sagrado: a água.
-Compadre, aqui choveu só dois milímetros, e aí no pé da serra?
-Aqui foram três, mas a gente espera mais, pelo jeito das nuvens. Mas lá Deus sabe o que fais. O feijão continua esturricado e o milho vai ter que esperá!
Olhando pras planta tudo triste, de boca aberta, aguardando ansiosamente uns pingos dágua, seu Gelsi, sertanejo calejado pela seca, aposentado, desfila sabedoria, ao falar do sertão e dos tempos atuais. “Sabe que o responsável por essa perda do feijão somos nois que antigamente sabia quando a chuva vinha e hoje acredita da televisão. O resultado tá aí. Falou que chovia, a gente plantou e a chuva não veio”.
A guerra do Exu, Gonzagão e revolução
Terra de Barbara de Alencar, avó do famoso escritor, José de Alencar. Ela liderou uma revolta republicana em 1817, sendo hoje considerada heroína nacional.
Exu exaltada, cantada em verso e  prosa por Luiz Conzaga, Gonzaguinha e inúmeros  poetas, cordelistas e artistas da terra.
Na região da Serra do Araripe, logo na divisa com o Ceará, foi criada a primeira área de conservação  do país, nos conta Antonio Alencar, grande conhecedor, da região, raizeiro muito conhecido e procurado na região e no país.
“Água para todos”, um programa do governo federal, distribuindo cisternas no  seco sertão. Ouvi inúmeros comentários sobre o absurdo de se trazer cisternas inadequadas, a alto custo, ao invés de continuar as experiências de cisternas  exitosas em curso no semiárido.
Apesar dos medos e ressentimentos persistirem, existe uma voz corrente de que “a guerra do exu acabou”. Começa a predominar uma nova mentalidade na convivência, que tenta  enterrar na seca do sertão, os fatos de violência e vingança que se davam entre famílias dominantes na região.

A sinfonia dos sapos em intermináveis amplexos
Só alegria. Os amplexos dos sapos em ritual de acasalamento, se dava em meio à felicidade que povoa cada coração sertanejo. Nunca vi tanto sapo reunido numa pequena porção d’água. Era sapo de tudo que é tamanho, desde os gigantes sapo cururu, até uns sapinhos minúsculos. De um dia para outro a água estava qualhada de ovinhos. E num repente já estavam aí os girinos.Pareciam que tinham pressa. Talvez também os afetasse o fantasma de nova seca. Passamos noites a meditar sob o olhar atento da lua e a sinfonia do coachar dos sapos.

Curiosidades e lições
A diferença de 1 (um voto) nas últimas eleições para prefeito. Vitória dos “boca negra”, derrota dos “boca branca”. Denominação corrente na cidade de Exu, que vem da década de 60, com a divisão entre os dois partidos UDN PSD.
Apesar de hoje não ter uma base em partidos políticos ou mesmo base de famílias, a denominação continua muito presente nas rodas de conversa.
A cidade de Exu e região ainda respirava  Gonzagão
Depois da rodar por mais de cinco mil quilômetros de estrada do centro (Brasília) ao nordeste do país, em seis estados,  impressiona o grande fluxo de veículos) a sensação de que de fato estamos construindo o caos. Até quando continuaremos enchendo ainda mais as estradas de veículos de todo tipo, colocando o Brasil sobre rodas, no círculo vicioso de que não poderemos correr o risco de desacelerar a indústria automobilística, o Brasil sobre rodas?
Mas a impressão mais forte é com relação à água. Da cultura do desperdício na maior parte do país, á secura do sertão, onde a água pode salvar ou matar vidas. Cada gota vale ouro. A cisterna é um espaço sagrado a ser olhado e cuidado como preciosidade. O semiárido nordestino de hoje talvez seja o planeta terra de amanhã, caso não forem tomadas providencias urgentes, desde os hábitos pessoais, até as políticas públicas nacionais com relação à água.
(Ecodebate, 14/02/2013) publicado pela IHU On-line, parceira estratégica do EcoDebate na socialização da informação.
[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos - IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros