Parceiro

domingo, 3 de março de 2013

Após acidentes nucleares no Japão, OMS alerta para risco de câncer


Usina de Fukushima, após o desastre nuclear

Usina de Fukushima, após o desastre nuclear. Foto no Der Spiegel


Às vésperas de o acidente radioativo da Usina Nucelar de Fukushima Daiichi, no Japão, completar dois anos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta para a possibilidade do aumento da incidência de câncer, principalmente tumores na tireoide. As ameaças ocorrem para quem vive em áreas próximas à usina, no Nordeste do país. Em relação aos trabalhadores de Fukushima, também há a preocupação com os riscos de leucemia.
Os vazamentos e as explosões na usina ocorreram em meio ao terremoto seguido por um tsunami, em 11 de março de 2011. Segundo especialistas, os acidentes radioativos no Japão foram considerados mais graves do que o desastre nuclear de Chernobil, na Ucrânia, em 1986. O terremoto seguido de tsunami deixou 15.868 mortos e 2.848 desaparecidos.
No relatório da OMS, de 166 páginas, os especialistas dizem que o risco de câncer na tireoide nas mulheres e crianças registrou um aumento de 1,25% – até então a média era 0,75% – em um raio de 20 quilômetros ao redor da usina. Em 1986, após o acidente de Chernobil, na Ucrânia, foi registrado aumento de casos de câncer de tireoide nas crianças.
“Um exame dos dados, com base na idade, no sexo e na proximidade da área onde está a usina, mostra um risco mais elevado para aqueles que estavam nas regiões mais contaminadas. Fora das áreas, incluindo na prefeitura de Fukushima, não é esperado qualquer aumento do risco de câncer”, disse a diretora para Saúde e Ambiente da OMS, Maria Neira.
*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa // Edição: Juliana Andrade
Matéria de Renata Giraldi*, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 01/03/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros

Parceiros