Parceiro

segunda-feira, 11 de março de 2013

Mulheres marcadas pela violência: Conheça o perfil do agressor

Mulheres marcadas pela violência 

Os homens possessivos, normalmente, são calados e tímidos. Frequentemente descritos, no início do relacionamento, como carinhosos e atenciosos, estão ávidos por se casar , firmar compromisso e viver uma vida a dois. Costumam ser simpáticos e corteses. Por isso, é fácil de a vítima e as pessoas mais próximas se enganarem. Ainda mais nessa situação, em que envolve sentimentos como paixão e amor , fica difícil enxergar os defeitos do companheiro. Mas há como identificar sinais desde os primeiros encontros que mostrem que ele pode se tornar agressivo. O primeiro passo é confiar na sua intuição. As mulheres, quando estão correndo riscos, tendem a suspeitar que alguma coisa está errada. Fique de olho. Quando um homem…
  •  Quer acelerar o ritmo do relacionamento muito no início, sugerindo prematuramente compromisso, morar junto e se casar .
  • Resolve conflitos com intimidações, bullying e violência.
  • É verbalmente abusivo.
  • Usa ameaças e intimidações como instrumento de controle. Isso inclui ameaçar , machucar fisicamente, difamar , constranger , restringir liberdade, revelar segredos, cortar dinheiro, abandonar e cometer suicídio.
  • Quebra coisas quando está com raiva.
  • Usa violência simbólica: rasga fotos ou as vandaliza.
  • Já foi agressivo em outros relacionamentos.
  • Cita o álcool ou as drogas como desculpa ou explicação por ser hostil ou violento. Frases comum: “Foi a bebida falando, e não eu”; “Fiquei tão bêbado, estava louco”.
  • Esteve envolvido em incidentes violentos, como vandalismo, quebrar e jogar coisas.
  • Usa o dinheiro como moeda de troca para controlar atividades e comportamentos da mulher ou da companheira.
  • Tem ciúmes de qualquer pessoa ou qualquer coisa que consuma o tempo da mulher fora do relacionamento. Ele a deixa em uma “ coleira” e quer saber todos os seus passos.
  • Não aceita rejeição.
  • Espera que o relacionamento dure eternamente. Usa muito as frases: “juntos para sempre” e “independentemente de qualquer coisa ”.
  • Tem emoções extremas e exageradas com os outros: ódio, amor , ciúmes, compromisso. Principalmente, quando não é provocado.
  • Miniminiza incidentes de abuso moral, psicológico e físico.
  • Passa tempo demais falando da mulher, e sua identidade está associada ao fato de ser marido, namorado ou amante.
  • Envolve a família e os amigos para ajudá-lo a manter ou recuperar o relacionamento.
  • Já seguiu ou monitorou a sua mulher de forma inapropriada.
  • Acredita que os outros estão tentando atingi-lo. Tem mania de perseguição e pensa que estão todos tentando convencer a mulher ou a companheira a largá-lo.
  • Resiste a mudanças e é comumente descrito como inflexível, nunca cede.
  • Identifica-se e compara-se a personagens violentos em filmes, histórias de ficção ou figuras históricas.
  • Justifica a violência que outros cometem.
  • Sofre de variações de humor ou está constantemente bravo ou depressivo.
  • Acusa os outros por problemas que são de responsabilidade dele, se recusa a se responsabilizar pelos seus atos.
  • Refere-se a armas como instrumento de poder , controle e vingança.
  • Armas fazem parte da seus interesses. Ele tem uma ou fala bastante no assunto.
  • Justifica os seus atos porque tem “privilégios masculinos”: a trata como uma empregada, toma todas as grandes decisões da casa e age como “rei do lar”.
  • Viveu ou viu violência doméstica quando criança
Fonte: Livro The gift of fear , do especialista em segurança Gavin De Becker
Análise no Correio Braziliense, socializado pelo ClippingMP.
EcoDebate, 11/03/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros

Parceiros