Parceiro

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Floresta dos Sentidos, uma brincadeira para aguçar o interesse pela biodiversidade


Vinicius Zepeda
 Peter Ilicciev
           Floresta dos Sentidos
      Atividade voltada a crianças de cinco a oito anos proporciona
reflexão sobre temas como biopirataria e tráfico de animais
“Por que o bicho-preguiça dorme pendurado nas árvores? Por que as plantas da floresta têm tantas cores? Que animais fazem esses barulhos? Por que algumas matas são fechadas e outras abertas? E quais bichos vivem aqui?” Quem convive com crianças sabe o quanto elas nos enchem de perguntas que, muitas vezes, não sabemos responder. Também sabe que elas gostam muito de brincar o tempo todo. E como seria se elas pudessem aguçar sua natural curiosidade sobre a biodiversidade brasileira em um jogo onde fossem pequenos guardiões de uma floresta e sentissem como se estivessem passeando dentro dela? Esta é a proposta de “Floresta dos Sentidos”, ciclo de atividades que começa nesta sexta, 26 de abril, na sala de exposições do Museu da Vida, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Voltada para crianças de cinco a oito anos, a iniciativa é resultado da união de um projeto coordenado por Luisa Medeiros Massarani, diretora do Museu da Vida/Fiocruz e divulgadora de ciências, organizado com auxílio do programa de Apoio à Difusão e Popularização da Ciência no Estado do Rio de Janeiro, e outro coordenado pela médica e pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Daniela Uziel, por meio do programa de Apoio a Projetos de Extensão e Pesquisa, ambos por meio de editais lançados pela FAPERJ.
Luisa Massarani explica que a proposta se assemelha a um jogo de caça ao tesouro. “As crianças são divididas em grupos de 20 por sessão e recebem um pequeno kit, com lanterna, lupa, bloco de anotações e uma corda para entrar na floresta e realizarem uma série de tarefas. Antes, porém, um computador apresenta uma animação em que, tendo o bicho-preguiça como mascote, se passam as instruções para realizar a atividade”, explica a diretora do Museu da Vida, que é também coordenadora da área da FAPERJ. Além disso, os mediadores do museu permanecem a postos para orientar e esclarecer quaisquer dúvidas que as crianças possam ter. “Ao mesmo tempo em que se divertem, elas são sensibilizadas sobre temas atuais, como o roubo de conhecimento gerado a partir da nossa biodiversidade – a chamada biopirataria –, tráfico de animais e disputa pelos nichos ecológicos entre espécies nativas e introduzidas nas florestas brasileiras”, complementa.

Peter Ilicciev
       Floresta dos Sentidos
No jogo, as crianças são desafiadas a explorar e conhecer
a fauna e a flora brasileira através do tato, audição e visão
 
Segundo as pesquisadoras, o nome Floresta dos Sentidos diz respeito à forma como a exploração do tema é apresentada às crianças. “Durante a atividade, os pequenos guardiões são desafiados a explorar e conhecer a fauna e a flora brasileira através do tato, da audição e da visão”, explicam. “Assim, além de ser fundamentalmente interativa e demandar o uso dos quatro sentidos, ela também possibilita a participação de crianças portadoras de necessidades especiais”, acrescentam.
Daniela Uziel descreve algumas das atividades propostas e destaca algumas curiosidades. “Em meio à brincadeira, os pequenos se encantam com uma caverna que reproduz os sons da fauna brasileira, como o coaxar de uma rã ou o zumbido de um mosquito, e podem desvendar com as próprias mãos os segredos escondidos no tronco do Toca-Toca”, descreve. Quando optam pelo tema “espécies invasoras”, as crianças descobrem, por exemplo, que aquele simpático mico que se vê por todo o Rio de Janeiro não é uma espécie nativa da região e causa prejuízos, comendo filhotes de aves e disputando espaço com outras espécies de primatas já ameaçadas de extinção. “Já no tema ‘espécies traficadas’, as crianças descobrem que animais que causam pavor a muitas pessoas, como as aranhas, produzem substâncias úteis na pesquisa de novos medicamentos”, complementa


Peter Ilicciev
             Floresta dos Sentidos
           Na “Floresta dos Sentidos, espécies naturais e invasoras, bem
como a vegetação, reproduzem fielmente a realidade local
 

Luisa Massarani destaca ainda que a pequena floresta foi toda montada pensando nas crianças. “Inclusive, a montagem do espaço foi feita em tamanho proporcional ao das crianças, de forma que elas realmente se sintam no interior de uma floresta”, explica. Para isso, elas contaram com a consultoria de um grupo de cientistas, ajudando a planejar o espaço minuciosamente do ponto de vista científico. “É um microcosmos da realidade: as espécies nativas e introduzidas, bem como a vegetação são reproduzidas fielmente”, salienta.
Segundo experiências anteriores que vem desenvolvendo na área de divulgação da ciência, a diretora do Museu da Vida percebe que o público infantil tem interesse pela temática científica. “Assim, ações voltadas para crianças tem grande potencial para permitir que elas desenvolvam o gosto pelas ciências e possam, futuramente, se transformar nos cientistas de amanhã”, conclui.
Mas é só vivenciando que conseguimos realmente descobrir como funciona esta floresta. E brincando, as crianças com certeza vão se divertir e assimilar informações muito mais facilmente…

Serviço:
  Floresta dos Sentidos – Atividade gratuita
Inauguração: 26 de abril, ás 15h. Vai até 31 de julho
Local: Sala de exposições do Museu da Vida
Visitação: de terça a sexta, das 9h às 16h30, mediante agendamento. No sábado, visitação livre, das 10h às 16h.
Endereço: Av. Brasil, 4365 – Manguinhos – Rio de Janeiro (dentro do campus da Fiocruz e próximo à passarela 6)
Mais informações e agendamento: (21) 2590-6747 (21) 2590-6747 e recepcaomv@coc.fiocruz.br
Informe da FAPERJ, publicado pelo EcoDebate, 17/05/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros

Parceiros