Parceiros

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Marrocos lança megaprojeto de geração termo-solar em Ouarzazate

Localização da cidade desértica de Ouarzazate, Marrocos


Localização da cidade desértica de Ouarzazate, Marrocos

O Marrocos lançou oficialmente nesta sexta-feira a construção de uma usina solar com capacidade para gerar 160 megawatts perto da cidade desértica de Ouarzazate, a primeira de uma série de grandes projetos de geração de energia a partir de fonte solar planejados no país. Matéria da AFP, no Yahoo Notícias.
A usina termo-solar, a maior do tipo no mundo, segundo Mustafá Bakkoury, diretor da agência de energia solar marroquina MASEN, custará 630 milhões de euros, e espera-se que esteja pronta em 2015, segundo a agência oficial de notícias MAP.
O projeto ambicioso “reforça o desejo de otimizar a exploração dos recursos naturais do Marrocos, preservar seu meio ambiente e sustentar seu desenvolvimento”, afirmou Bakkoury durante uma cerimônia, à qual esteve presente o rei Mohammed VI.
Um consórcio liderado pelo desenvolvedor saudita ACWA Power venceu a licitação para construir a usina, perto da cidade marroquina, em setembro passado.
O Banco Mundial, o Banco de Desenvolvimento Africano e o Banco de Investimento Europeu ajudam a financiar o complexo.
Esta é a primeira fase de um projeto que consiste de duas, cuja conclusão está prevista para 2020, e espera-se que se estenda por 3.000 hectares e tenha uma capacidade de geração de energia de 500 megawatts, o suficiente para atender às demandas do 1,5 milhão de habitantes de Ouarzazate.
Em março, a MASEN informou que companhias interessadas na fase dois do projeto precisariam apresentar suas propostas até meados de abril e que a licitação seria definida no ano que vem.
O país norte-africano visa a se tornar um gerador com relevância mundial de energias renováveis e está de olho na oportunidade de exportar eletricidade limpa para a vizinha Europa.
O Marrocos espera construir cinco usinas solares até o final da década, com uma capacidade produtiva combinada de 2.000 megawatts e a um custo estimado de 9 bilhões de dólares (6,9 bilhões de euros).
O reino não tem reservas de gás e petróleo e sua esperança é que, com estes projetos de energia solar, juntamente com os planos de desenvolver uma cadeia de fazendas eólicas ao longo de sua costa Atlântica, consiga aumentar a produção de energia renovável a 42% do total de sua matriz energética até 2020.
EcoDebate, 13/05/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros