Parceiro

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O Hóspede de Job - José Cardoso Pires

Titulo: O Hóspede de Job
Autor: José Cardoso Pires
Outubro é o mês que se assinala a data do nascimento assim como da morte de José Cardoso Pires. Nasceu na aldeia de São João de Peso, conselho de Vila de Rei a 2 de Outubro de 1925 e foi em Lisboa, a 26 de Outubro de 1998, que viria a falecer.
Ao longo da sua carreira publicou vários livros e conquistou vários galardões literários. Com “O Hospede de Job” venceu o Prémio Camilo Castelo Branco, obra dedicada ao seu irmão que perdeu a vida quando cumpria o serviço militar obrigatório.
“Na véspera, as mulheres tinham marchado sobre a Vila e, todas em coro, apresentaram-se na Câmara. Pediam pão para casa, trabalho para os maridos.”
Editado pela primeira vez em 1963 mas escrito em 1953, O Hóspede de Job é um livro que descreve muito bem o Portugal de então. Dessa forma descobrimos um país onde o desemprego abundava e a fome era uma constante; onde as pessoas, pela força da necessidade, faziam muitos quilómetros a pé na esperança de arranjar emprego; onde já existiam algumas máquinas agrícolas, mas onde essas mesmas máquinas preocupavam os trabalhadores pois pensavam que ainda iriam agravar mais a falta de trabalho; nessa altura os guardas andavam pelas aldeias a cavalo e prendiam muitas pessoas por aspetos políticos e os jovens eram obrigados a cumprir o serviço militar.
“Na grande maioria são homens-operários, homens-camponeses, cobertos com uma farda que cobriu antes deles outros operários, outros camponeses, ou pescadores”
O filho de Aníbal é um desses homens. No quartel onde está fazem-se testes militares comandados pelo hóspede de job, Gallager, um americano a mandar nas nossas tropas. João Portela, que esfomeado andava naquela zona há procura de emprego fica sem uma perna por causa dos testes militares, ele simboliza todos aqueles que ficaram sacrificados pela tirania de uma ditadura. Tio Aníbal é o típico português que se preocupa com a vida dos outros. Floripes, uma jovem, está pressa numa cela por cima de uma Igreja, sitio onde já poucas pessoas rezam.
“Tu não pertences aos presos comuns…”
Este livro reaviva o passado para que essas memórias não sejam esquecidas, mas existe uma pergunto inevitável: Como é que a PIDE autorizou a publicação da obra?

Boa leitura…

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros

Parceiros