Parceiro

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Agrotóxicos, histórico e novidades, Parte 2/3, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] BORSÓI et. al. (2014) ressalta que os agrotóxicos ganharam excesso de importância e foram negligenciadas as técnicas de aplicação empregadas (CUNHA, 2008) e o impacto dos agrotóxicos na saúde direta dos agricultores, da população ao consumir os alimentos com resíduos de agrotóxicos devido à contaminação de cereais, frutas e hortaliças e da contaminação do meio ambiente, principalmente solo, água e ar (GALT, 2008; FONTENELE et al., 2010, PEDLOWSKI et al, 2012 e PINOTTI e SANTOS, 2013).

Assim, temos as perdas por volatilização, que representam o resultado global de todos os processos físico-químicos pelo qual um composto é transferido da solução do solo e/ou da superfície das plantas para a atmosfera.

Uma vez na atmosfera, o agrotóxico poderá ser transportado a grandes distâncias, e ser novamente depositado à superfície por meio do vento ou deposição seca e por deposição úmida na chuva, orvalho, neve e neblina (GAVRILESCU, 2005). Podendo esse agrotóxico, na fase de vapor, contaminar o ambiente e atingir organismos não alvo.

BORSÓI et. al. (2014) afirma que no meio ambiente, os agrotóxicos podem afetar e contaminar a biota, a qualidade da água e do ar, a produtividade e a qualidade final dos alimentos de origem animal e vegetal, podendo torná-los impróprios para o consumo (SCHREIBER et al., 2013).

As propriedades físico-químicas dos agrotóxicos, bem como a quantidade e a frequência de uso, métodos de aplicação, características bióticas e abióticas do ambiente e as condições meteorológicas determinarão qual será o destino dos agrotóxicos no ambiente.

Novamente está se discutindo direção e velocidade dos ventos, áreas de isolamento ou de refúgio. Não tem como fugir desta realidade. Quando a gente se pega discutindo os fatores científicos que controlam o vento, isto inspira uma sensação de regressão aos nossos ancestrais, numa sociedade ultra-tecnológica.

Essas condições variam de acordo como produto e com os fatores relacionados à sua aplicação, por isso não podemos prever um modelo para o comportamento destes agrotóxicos nem sua interação com o ambiente. Por mais que se atribua ao vento caráter científico.

Entretanto, alguns processos são conhecidos e descritos para diferentes produtos, tais como retenção, transformação e transporte. Esses processos podem predizer como o produto se comportará interagindo com as partículas do solo e com outros componentes, com sua velocidade de evaporação, solubilidade em água e bioacumulação (RIBAS e MATSUMURA, 2009).

O aumento considerável no volume de agrotóxicos aplicados tem trazido uma série de transtornos e modificações para o ambiente, tanto pela contaminação das comunidades de seres vivos que o compõe, quanto pela sua acumulação nos segmentos bióticos e abióticos do ecossistema (biota, água, ar, solo, etc.) (FERREIRA et al., 2006).

RIBEIRO et al. (2007) relatam que, mesmo em concentrações baixas, são encontrados resíduos de agrotóxicos em amostras de água subterrânea em países como Grã-Bretanha, Alemanha, Estados Unidos, Grécia, Bulgária, Espanha, Portugal e Brasil.

No solo, a preocupação com a contaminação é referente à interferência desses princípios ativos em processos biológicos responsáveis pela oferta de nutrientes. São consideráveis as alterações sofridas na degradação da matéria orgânica, através da inativação e morte de microrganismos e invertebrados que se desenvolvem no solo.

A ciclagem de nutrientes pode ser afetada quando, por exemplo, o princípio ativo persistente no solo interfere no desenvolvimento de bactérias fixadoras de nitrogênio, responsáveis pela disponibilização desse mineral às plantas (CARLOS et al., 2013).

Os agrotóxicos podem também se infiltrar no solo, atingindo as águas subterrâneas e ser encontrados em poços utilizados para abastecimento de água para uso doméstico ou para dessedentação de animais. A importância relativa dessas duas formas de transporte depende, em grande parte, do tipo de solo e do relevo da região (FLORES et al., 2004).

A presença de agrotóxicos em estações de tratamento de águas urbanas é principalmente devido ao seu uso não agrícola. A lista de utilizações inclui a aplicação de manutenção de gramados (campos de golfe, instalações educacionais, parques e cemitérios), no controle de vegetação industrial (instalações industriais, concessionárias de energia elétrica, rodovias, ferrovias, gasodutos), em saúde pública (redução de mosquitos, áreas de controle de roedores e áreas aquáticas) e em culturas não-agrícolas, como a silvicultura comercial e horticultura e plantas em viveiros (KÖCK-SCHULMEYER et al., 2013).

Antes do ano de 1500 a visão de mundo dominante na Europa, bem como no restante o mundo era a agricultura baseada na origem orgânica. A estrutura científica dessa visão foi devido à autoridade da igreja e da filosofia de Aristóteles.

Esta visão orgânica mudou radicalmente nos séculos XVI e XVII, uma vez que sofreu uma ruptura epistemológica que foi substituída pela noção do mundo da máquina com mudanças revolucionárias causadas pelas ideias científicas de Copérnico, Galileu, Newton e Einstein (PINOTTI e SANTOS, 2013).

Por volta de 1798, o planeta atingiu um bilhão de pessoas. Neste momento, o crescimento da população mundial estava em progressão geométrica, enquanto o crescimento de alimentos aumentou aritmeticamente, causando há muito tempo uma dívida negativa em alimentos, determinando a fome (RIBAS e MATSUMURA, 2009).

Nas últimas décadas a ação humana sobre o planeta tem sido extrema e de acelerado desenvolvimento. A Revolução Verde, que ocorreu entre os anos de 1940 a 1970, com a mecanização rural, irrigação e uso de fertilizantes e agrotóxicos, bem como a seleção de sementes mais produtivas determinou o crescimento da produção de grãos em países desenvolvidos.

Isto resultou na intensiva utilização da adubação química e de agrotóxicos.

Esse conjunto de inovações tem contribuído para modernas práticas agrícolas que garantem a produção de alimentos e cereais pelo aumento da produtividade agrícola.

Mas estas realidades não passaram nem perto de solucionar o problema da fome que depende da distribuição de riqueza.

O impacto da humanidade sobre do planeta, que começou um crescimento acelerado de dez mil anos atrás, com a descoberta da agricultura e o aumento da produção de grãos foram reguladas pela alta taxa de mortalidade em epidemias e guerras (PINOTTI e SANTOS, 2013).

Assim, após o final da II Guerra Mundial, a partir da década de 50, quando se iniciou a chamada Revolução Verde, foi possível observarem-se profundas mudanças no processo tradicional da produção agrícola, bem como nos impactos dessa atividade sobre o ambiente e a saúde humana.

Novas tecnologias, muitas delas baseadas no uso extensivo de agentes químicos, foram disponibilizadas aos agricultores aumentando a produtividade através do controle de doenças e proteção contra insetos e outras pragas (RIBAS e MATSUMURA, 2009).

O uso de agrotóxicos no Brasil, assim como o controle de sua presença no meio ambiente, é normatizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA).

A Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) n°430 de março de 2011 preconiza o nível máximo permitido para agrotóxicos organoclorados em recursos hídricos (BRASIL, 2011).

De acordo com GARCIA et al. (2005), a legislação brasileira para o uso e controle de agrotóxicos começou mais formalizada na década de oitenta (Lei dos Agrotóxicos do Brasil, n° 7802/89). As agências governamentais envolvidas nesse trabalho têm definido a necessidade de práticas agrícolas e ambientais para a manutenção da saúde pública.

Referências:

ALVES, M. I. R., FILHO, N. R. A., OLIVEIRA, L. G. e FURTADO, S. T. F. Avaliação da Contaminação por Pesticidas Organoclorados em Recursos Hídricos do Estado de Goiás. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 15, n.1, p. 67-74, 2010.

BONALDO, S. M., SCHWAN-ESTRADA, K. R., STANGARLIN, J. R., TESSMANN, D. J. e SCAPIM, C. A. Fungitoxicidade, atividade elicitora de fitoalexinas e proteção de pepino contra Colletotrichum lagenarium, pelo extrato aquoso de Eucalyptus citriodora. Fitopatologia brasileira, v. 29, n. 2, 2004.

BRAIBANTE, M. E. F. e ZAPPE, J. A., A química dos agrotóxicos. Química Nova na Escola, v. 34, n. 1, p. 10-15, 2012.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. D.O.U. – Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 21 de agosto de 2006. Resolução RDC nº 165, de 18 de agosto de 2006. Ficam proibidos todos os usos do Ingrediente Ativo Lindano no Brasil.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. CONAMA. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução CONAMA Nº 430/2011, de 16 de maio de 2011. Dispõe sobre condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente

CARLOS, E. A., ALVES, R. D., QUEIROZ, M. E. L. R. e NEVES, A. A. J. B., Simultaneous determination of the organochlorine and pyrethroid pesticides in drinking water by single drop microextraction and gas chromatography. Chemical Society, v. 24, n. 8, p. 1217-1227, 2013.

CARNELOSSI, P. R., SCHWAN-ESTRADA, K. R. F., CRUZ, M. E. S., ITAKO, A. T. e MESQUINI, R. M., Óleos essenciais no controle pós-colheita de Colletotrichum gloeosporioides em mamão. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.11, n.4, p. 399-406, 2009.

CISCATO, C. H. P., SOUZA, G. S., BARBOSA, C. M. e GEBARA, A. B. Pesticide residues evaluation in brazilian basic diet: rice and bean. Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente, v. 22, p. 1-6, jan./dez. 2012.

CHUNG, S. W. C. e CHEN, B. L. S. Determination of organochlorine pesticide residues in fatty foods: A critical review on the analytical methods and their testing capabilities. Journal of Chromatography A, v. 1218, n. 33, p. 5555–5567, 2011.

CUNHA, J. P. A. R., Simulação da deriva de agrotóxicos em diferentes condições de pulverização. Ciência e Agrotecnologia, v. 32, n. 5, p. 1616-1621, 2008.

CUNHA, J. P. A. R., TEIXEIRA, M. M., COURY, J. R. e FERREIRA, L. R., Avaliação de estratégias para redução da deriva de agrotóxicos em pulverizações hidráulicas. Planta Daninha, v. 21, n. 2, p. 325-332, 2003.

FERREIRA, A. P., CUNHA, C. L. N., WERMELINGER, E. D., SOUZA, M. B., LENZI, M. F., MESQUITA, C. M. e JORGE, L. C., Impactos de pesticidas na atividade microbiana do solo e sobre a Saúde de agricultores. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 32, n. 2, p. 309-321, 2006.

FIGUEIREDO, J. e NETO, G. G., Aspectos da percepção ambiental de um grupo de empresários de Sinop, mato grosso, Brasil. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 22, 2009.

FLORES, A. V., RIBEIRO, J. N., NEVES, A. A. e QUEIROZ, E. L. R., Organoclorados: um problema de saúde pública. Ambiente & Sociedade, v. 7, n. 2, 2004.

FONTENELE, E. G. P., MARTINS, M. R. A., QUIDUTE, A. R. P. e MONTENEGRO JÚNIOR, R. M., Contaminantes ambientais e os interferentes endócrinos. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 54, n. 1, Feb., 2010.

GALT, R. E., Beyond the circle of poison: Significant shifts in the global pesticide complex, 1976–2008 Global Environmental Change, v.18, n.4, p. 786-799, 2008.

GARCIA, E. G., BUSSACOS, M. A. e FISHER, F. M., Impacto da legislação no registro de agrotóxicos de maior toxicidade no Brasil. Revista Saúde Pública, v. 39, n. 5, p. 832-9. 2005.

GAVRILESCU, M., Fate of pesticides in the environment and its bioremediation. Engineering in Life Sciences, v.5, n.6, p. 497-526, 2005.

GUPTA, R. C., Toxicology of Organophosphate and Carbamate Compounds. San Diego: Elsevier Academic Press, 2006. p.3-4

IRACE-GUIGAND, S., AARON, J. J., SCRIBE, P. e BARCELO, D. A., comparison of the environmental impact of pesticide multiresidues and their occurrence in river waters surveyed by liquid chromatography coupled in tandem with UV diode array detection and mass spectrometry. Chemosphere, v. 55, n. 7, p. 973-981, 2004.

KÖCK-SCHULMEYER, M., VILLAGRASA, M., ALDA, M. L., CÉSPEDES-SÁNCHEZ, R. e VENTURA, F., Occurrence and behavior of pesticides in wastewater treatment plants and their environmental impact. Science of the Total Environment, v. 458–460, p. 466–476, 2013.

KUPPER, K. C., BELLOTE, J. A. M. e GOES, A., Controle alternative de Colletotrichum acutatum, agente causal da queda premature dos frutos cítricos. Revista Brasileira de Fruticultura, v.31, n.4, p. 1004-1015, 2009.

ANTONIOLLI, Z. I., Trichoderma no Brasil: o fungo e o bioagente. Revista de Ciências Agrárias, v. 35, n. 1, jun., 2012.

MISHRA, K., RAMESH, C. S. e SUDHIR, K., Contamination levels and spatial distribution of organochlorine pesticides in soils from India Ecotoxicology and Environmental Safety, v. 76, p. 215–225, 2012.

MORANDI, M. A. B., MAFFIA, L. A., MIZUBUTI, E. S. G., ALFENAS, A. C. e BARBOSA, J. G., Supression of Botrytis cinérea sporulation by Clonostachys rosea on rose debris. A valuable component B. blight management in commercial greenhouses. Biological Control, v. 26, n. 3, p. 311-317, 2003.

NERO, L. A., MATTOS, M. R., BELOTI, V., BARROS, M. A. F., NETTO, D. P. e FRANCO, B. D. G. M., Organofosforados e carbamatos no leite produzido em quatro regiões leiteiras no Brasil: ocorrência e ação sobre Listeria monocytogenes e Salmonella spp. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 27, n. 1, Mar., 2007.

NUNES, A. L., e VIDAL, R. A., Seleção de plantas quantificadoras de herbicidas residuais. Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente, v.19, n.1, p. 19-28, 2009.

PEDLOWSKI, M. A., CANELA, M. C., TERRA, M. A. C. e FARIA, R. M., R. Modes of pesticides utilization by Brazilian smallholders and their implications for human health and the environment. Crop Protection, v. 31, n.1, p. 113–118, 2012.

PINOTTI, M. M. Z. e SANTOS, J. C. P., From the ancient times of the agriculture to the biological control in plants: a little of the history. Ciência Rural, v. 43, n. 10, p. 1797-1803, 2013.

RIBAS, P. P. e MATSUMURA, A. T. S., A química dos agrotóxicos: impactos sobre a saúde e meio ambiente. Revista Liberato, v. 10, n. 14, p. 149-158, jul./dez., 2009.

RIBEIRO, M. L., LOURENCETTI, C., PEREIRA, S. Y. e MARCHI, M. R. R., Contaminação de águas subterrâneas por pesticidas: avaliação preliminar. Química Nova, v. 30, n. 3, Jun., 2007.

ROCHA JÚNIOR, D. S., BOTELHO, J. O. B., FIOL, F. S. D. e OSHIMA-FRANCO, Y., Síndromes neurológicas induzidas por praguicidas organofosforados e a relação com o suicídio. Saúde em Revista, v. 10, n. 14, p. 53-60, 2004.

ROZWALKA, L. C., LIMA, M. L. R. Z. C., MIO, L. L. M. e NAKASHIMA, T., Extratos, decoctos e óleos essenciais de plantas medicinais e aromáticas na inibição de Glomerella cingulata e Colletotrichum gloeosporioides isolates from guava fruits. Ciência Rural, v. 38, n. 2, 2008.

SCHREIBER, F., AVILA, L. A., SCHERNER, A., MOURA, D. S. e HELGUEIRA, D. B., Plantas indicadoras de clomazone na fase vapor. Ciência Rural, v. 43, n. 10, 2013.

VALERO, P. F., PESTANO, J. J., LUZARDO, O. P., ZUMBADO, M. L. ALMEIDA, M. e BOADA, L. D., Differential effects exerted on human mammary epithelial cells by environmentally relevant organochlorine pesticides either individually or in combination Che mico-Biological Interactions, v.180, n.3, p. 485–491, 2009 VEIGA, M. M., Agrotóxicos: eficiência econômica e injustiça socioambiental. Ciência e saúde coletiva, v. 12, n. 1, 2007.

WAICHMAN, A. V., A problemática do uso de agrotóxicos no Brasil: a necessidade de construção de uma visão compartilhada por todos os atores sociais. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 37, n. 125, 2012.

BORSOI, Augustinho SANTOS, Paulino Ricardo Ribeiro dos, TAFFAREL, Loreno Egidio e GONÇALVES JÚNIOR, Affonso Celso, Agrotóxicos: histórico, atualidades e meio ambiente, Acta Iguazu, Cascavel, v.3, n.1, p. 86-100, 2014

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.Saiba mais em O AMBIENTALISTA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros

Parceiros