Parceiros

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Em 2018 Brasil produzirá mais do triplo de energia eólica

Em 2018 Brasil produzirá mais do triplo de energia eólica. Foto: Banco Mundial/Mariana Kaipper Ceratti
Com o crescimento do país e da classe média na última década, a demanda por energia no Brasil aumenta numa média anual de 4,5%. É menos do que a China e Índia, cujo crescimento fica entre 8% e 10%, mas mais do que os Estados Unidos e Europa, onde essa cifra fica entre 2% e 3%, segundo dados da PSR, consultoria especializada em estudos energéticos.
“Num país com tantos recursos renováveis como o Brasil, é fundamental encontrar fontes complementares às hidrelétricas. A energia eólica tem todas as condições de atender a essa necessidade”, defende a presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Elbia Melo.
Os ventos que sopram no Brasil nem de longe produzem a mesma energia gerada em países como Alemanha, Espanha e Dinamarca, que têm em torno de 20% a 30% de eólicas na matriz. No maior país da América Latina, as eólicas correspondiam a apenas 1,6% da capacidade instalada de geração elétrica no Brasil em 2012 (ante 66% das hidrelétricas), segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE).
“É importante ressaltar que os países europeus tiveram crescimento brutal da energia eólica devido a políticas públicas específicas e subsídios para estimular o crescimento de fontes renováveis, além da falta de outras opções”, explica o diretor técnico da PSR, Luiz Barroso.
Aumentar essa participação no Brasil, porém, é questão de tempo. Até 2018, o país passará dos 4.5 gigawatts já instalados a 14.4 gigawatts (equivalentes a pouco mais da capacidade da polêmica hidrelétrica de Belo Monte, na Amazônia), de acordo com a ABEEólica. Esses números serão ainda maiores a depender do resultado de um leilão em 31 de outubro, realizados no Brasil há 10 anos.
“São necessários para promover a expansão das energias limpas no mundo todo, em especial nos mercados emergentes”, comenta a especialista em energia no Banco Mundial, Gabriela Elizondo. Para o certame de outubro, foram inscritos 1.034 projetos de fornecedores de energia, dos quais 626 eólicos, 400 solares e oito de biogás e resíduos sólidos urbanos, ofertando 26.3GW de capacidade instalada.
Fonte: ONU Brasil.
EcoDebate, 11/08/2014
+ Mais Informações ››››››

Agricultura urbana ganha espaço nas grandes cidades

Na região metropolitana de São Paulo, agricultores usam espaços públicos e geram renda na venda de hortaliças
Horta do Takebe, na cidade de Diadema, na região do grande ABC
O número de hortas em espaços vazios, mesmo numa grande metrópole, é uma prática comum e que gera renda a algumas famílias. “Os preços podem variar de acordo com a região e algumas pessoas chegam a viver exclusivamente desta atividade”, conta a cientista social, Michele Rostichelli. Na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, ela empreendeu um estudo para saber quem são as pessoas que produzem esses alimentos, as características destas famílias e suas origens.
Na pesquisa de mestrado Entre a Terra e o Asfalto: a região metropolitana de São Paulo no contexto da agricultura urbana, Michele entrevistou componentes de 26 famílias que produzem hortaliças na Região Metropolitana de São Paulo, mais especificamente na região do ABC — nas cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, Diadema e Mauá —, e no bairro de São Mateus, na zona leste de São Paulo. Boa parte destas pessoas já teve convivência com as práticas agrícolas. “A maioria vem do nordeste do Brasil ou do interior de São Paulo e chegaram por aqui para tentar a vida”, conta a pesquisadora.
Foram mais de dois anos de observações e entrevistas nas áreas de plantações. Estes locais são, principalmente, sob as linhas de eletricidade da Eletropaulo, que a pesquisadora denomina como “linhões”, e terrenos vazios. “Os ‘linhões’ são espaços que abrigam as grandes torres de eletricidade onde, por segurança, não se permite a construção de moradias e o plantio de árvores de grande porte”, explica. É justamente nesses terrenos que as pessoas cultivam suas hortaliças, principalmente alface e coentro. “Mas a produção se estende para outras culturas, como agrião, escarola, e até banana”, conta Michele. Segundo ela, a ocorrência de hortas nas cidades estudadas teve início nas décadas de 1970 e 1980, período em que se podiam encontrar chácaras e sítios nestes locais .
Preços de mercado
As hortaliças são comercializadas nos bairros próximos às plantações e os preços, segundo Michele, podem variar de acordo com a região. “Numa das hortas próximas a um bairro de classe média em Santo André, por exemplo, a alface chega a custar R$ 2,00. Mas em outro local onde a maioria dos moradores é de baixa renda, pode-se comprar por R$ 1,00. Dificilmente os preços praticados ficam acima dos valores comercializados nos grandes supermercados ou feiras livres”.
Horta do Capuava, em Santo André, localizada sob um “linhão”
Outra característica das hortaliças comercializadas é o não uso de agrotóxicos ou fertilizantes químicos. “Entre os entrevistados, quase todos afirmam que não se utilizam de qualquer elemento químico. Usam adubos naturais, como torta de mamona, estercos, cinzas de madeira e, por vezes, calcário para controle do ph da terra”, descreve Michele. Mesmo assim, as hortaliças não podem ser consideradas orgânicas porque as sementes adquiridas são “tratadas”. Michele conta que são compradas, principalmente, nas cidades de Suzano e Mogi das Cruzes, região da grande São Paulo, denominada “cinturão verde”.
Michele acredita que a prática da agricultura em espaços vazios das grandes cidades deve permanecer e até crescer, visto que há incentivos para criação de hortas comunitárias pela vizinhança organizada, ONGs e até de administrações municipais. “Vale lembrar que nas áreas sob os ‘linhões’ a concessão é dada pelas prefeituras”, ressalta. Em quase todas as hortas analisadas no estudo, o espaços de plantios têm, em média, 200 metros quadrados (m2) e os agricultores não dispõem de maquinários agrícolas, o trabalho é manual, “Eles usam ferramentas tradicionais, como enxadas, pás, etc.” E de acordo com a cientista social, ainda existem muitos espaços nas cidades que podem ser utilizados para a atividade. A pesquisa de Michele teve a orientação da professora Valéria de Marcos e foi apresentada no Departamento de Geografia Humana da FFLCH.
Fotos: Divulgação
Por Antonio Carlos Quinto, da Agência USP de Notícias.
EcoDebate, 11/08/2014
+ Mais Informações ››››››

Pesquisa investiga trabalhadores expostos a agrotóxicos

Informe Ensp
Elaborar orientações e subsídios para o desenvolvimento de ações de vigilância em saúde do trabalhador a populações expostas a agrotóxicos, visando contribuir para a efetivação dessas ações pelos Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) rurais. Esse foi o objetivo do estudo desenvolvido pelo aluno do Mestrado Profissionalizante em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) Roque Manoel Perusso Veiga, sob orientação do pesquisador Carlos Minayo Gómez. O  foco da pesquisa foi o Cerest do município de Primavera do Leste (MT), um dos berços do agronegócio no país, que detém altas extensões de plantio em áreas de soja, milho e algodão e utiliza de forma maciça agrotóxicos. “Isso vem trazendo consequências danosas à saúde da população brasileira, além de causar danos à natureza pela degradação dos recursos naturais não renováveis, destruição da flora e fauna e poluição das águas, solos e do ar”, alerta o aluno.
O Brasil é um dos líderes mundiais em consumo desse pesticida, ocupando o primeiro lugar desde 2008, consumindo quase 1/5 de todo o agrotóxico produzido no mundo, e respondendo na América Latina por 86% dos produtos comercializados

Para Veiga, esse processo de desenvolvimento de ações de vigilância em saúde do trabalhador deve ser contínuo, inclusive a capacitação e qualificação dos profissionais das unidades e de toda a rede de serviços do Sistema Único de Saúde, a identificação dos trabalhadores expostos a agrotóxicos e a qualificação das ações de promoção, prevenção, diagnóstico, atenção e vigilância em saúde. A pesquisa utilizou como norte as Diretrizes da Vigilância em Saúde do Trabalhador e da Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora.
De acordo com Veiga, as questões de vigilância em saúde no Brasil estão diretamente vinculadas aos modelos e práticas sanitárias que o país vem tentando implantar nos últimos 30 anos. “A proposta de vigilância à saúde supera os modelos assistenciais vigentes, implicando uma redefinição do sujeito, do objeto e das formas de organização dos processos de trabalho.”
A saúde pública brasileira, a partir dos anos 1980, impulsionada pelo Movimento da Reforma Sanitária, explica o aluno, vem construindo caminhos para mudanças na prática sanitária vigente, com ênfase na atenção curativa, especializada, médica e medicamentosa e centrada no hospital, para uma atenção que priorize a proteção e a promoção da saúde e a prevenção dos agravos e enfermidades, cuja porta de entrada do sistema e organizadora do sistema é a Atenção Primária à Saúde.
Segundo a Organização Mundial da Saúde, relata o estudo, ao dar ênfase à atenção curativa, os cuidados em saúde são mal direcionados, visto que os recursos são concentrados nos serviços curativos a elevado custo, negligenciando o potencial da prevenção primária e da promoção da saúde, que, se bem praticados, poderiam reduzir até 70% da carga da doença. Quanto aos agrotóxicos, a pesquisa informa que o Brasil é um dos líderes mundiais em consumo desse pesticida, ocupando o primeiro lugar desde 2008, consumindo quase 1/5 de todo o agrotóxico produzido no mundo, e respondendo na América Latina por 86% dos produtos comercializados.
O autor
Intitulada Bases para a implementação de ações de vigilância em saúde do trabalhador em setores do agronegócio, a dissertação do aluno Roque Manoel Perusso Veiga foi defendida no dia 12/05. Ele possui graduação em matemática pela Faculdade Estadual de Filosofia Ciências Letras de Cornélio Procópio (2004), com licenciatura em ciências pela mesma faculdade. Atualmente é assistente técnico do Ministério da Saúde.
Fonte: AFN – Agência Fiocruz de Notícias
EcoDebate, 13/08/2014
+ Mais Informações ››››››

Acordo consegue reduzir mais de 1,2 mil tonelada de sódio em três alimentos industrializados

Sódio nos alimentosPor Aline Leal, da Agência Brasil.

Acordo consegue reduzir mais de 1,2 mil tonelada de sódio em três alimentos. Foto: Arquivo/Agência Brasil 

De 2011 para 2012, as indústrias de alimento conseguiram retirar 1.295 toneladas de sódio das bisnaguinhas, dos pães de forma e dos macarrões instantâneos. Esse foi o resultado de acordo entre o Ministério da Saúde e a Associação das Indústrias da Alimentação (Abia), que prevê queda de 1,8 mil tonelada dessa substância até o final de 2014, na produção.
De acordo com a diretora de Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, Deborah Malta, no período, houve redução de quase 11% no sódio da bisnaguinha e do pão de forma, e de mais de 15% no do macarrão instantâneo.
Para o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a redução é satisfatória para um primeiro ano de acordo. “Com apenas três tipos de alimentos, já conseguimos retirar mais de 1,2 mil tonelada de sódio das prateleiras. Com os quatro acordos, esperamos chegar a 28 mil toneladas em 2020 e, com isso, reduzir as mortes por acidentes vasculares cerebrais em 15% e os óbitos por infarto em 10%.”
A medida é uma forma de alertar a população para a importância de reduzir o sal na alimentação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que o ideal é consumir no máximo 5 gramas de sal por dia, porém, o consumo do brasileiro chega a 12 gramas diários.
Apesar disso, a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico de 2013 mostra que 48% dos brasileiros acham que o nível de consumo de sal é médio, e pouco mais de 15% consideram-no alto ou muito alto.
“Quase metade da população acredita estar consumindo a quantidade ideal. No entanto, sabemos que isso não é verdade. Nosso consumo ainda está muito acima do recomendado pela OMS. Esses acordos de redução do sal são importantes, porque ajudam a diminuir a quantidade ingerida justamente nos itens em que o consumidor não percebe, nos alimentos processados. Por isso, é importante que a população atente para a quantidade registrada nos rótulos e faça a comparação entre as marcas”, destacou o ministro.

Sódio nos alimentos
A finalidade é reduzir o consumo de sódio para diminuir as mortes por acidentes vasculares cerebrais em 15% e os óbitos por infarto em 10%. Foto: Arquivo/Agência Brasil
 
 

Para a diretora do ministério, o excesso de sal na alimentação do brasileiro é uma questão de costume. ”Culturalmente o brasileiro não tem noção da quantidade de sal que deve ser colocada no alimento. Além de termos um paladar salgado, não olhamos o rótulo dos alimentos.”
Segundo o Ministério da Saúde, o consumo exagerado de sal está relacionado ao aumento no risco de doenças crônicas, como hipertensão, doenças cardiovasculares e doenças renais. As doenças crônicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das mortes no mundo e 72% no Brasil.
Os acordos de redução de sódio em alimentos industrializados fazem parte de uma série de ações para reduzir em 25% a mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis até 2022. “No longo prazo, teremos efeitos mais claros, mas as pessoas já se beneficiam imediatamente da redução do sal nos alimentos”, ressaltou Deborah.
Ao todo, são quatro acordos de cooperação entre Ministério da Saúde e Abia para a redução de sódio nos alimentos industrializados. Eles contemplam 16 categorias de alimentos, representando 90% dos itens industrializados. Dados da Pesquisa de Orçamento Familiar de 2008 mostram que 28% do que vai à boca do brasileiro são alimentos industrializados. No último acordo assinado no final do ano passado, laticínios, embutidos e sopas prontas foram contemplados com a redução de sódio.
As análises do Ministério da Saúde mostram também que não só as empresas que aderiram ao acordo reduziram o teor de sódio. “Encontramos redução semelhante nos outros produtos mostrando que a tendência acabou tomando o mercado como um todo”, observou débora.

Chioro: não queremos banir o sal, mas evitar o consumo em excesso
Por Paula Laboissière, da Agência Brasil.
Ao comentar os primeiros resultados do acordo voluntário com a indústria para redução do sódio em alimentos, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse ontem (12) que o objetivo da iniciativa não é banir o sal, mas evitar o consumo em excesso. “O sal faz parte dos nossos hábitos alimentares.
“O sódio é um componente importante na nossa saúde. O grande problema é o excesso. Não se tratar de banir o sal da alimentação, mas de fazer com que tenhamos uma diminuição tanto nos produtos industrializados quanto naqueles aos quais adicionamos sal no dia a dia”, disse Chioro.
Dados do Ministério da Saúde mostram que, no período 2011-2012, foram reduzidas 1.295 toneladas de sódio em três tipos de alimentos: pão de forma, bisnaguinhas e macarrão instantâneo. O brasileiro consome em média 12 gramas de sódio por dia, quando o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é que o consumo não ultrapasse 5 gramas.
“Apenas 15% da população brasileira acham que fazem uso abusivo de sal, ou seja, a população acha que consome uma quantidade de sal que não é prejudicial à saúde. O inquérito que foi feito demonstra que fazemos um consumo excessivo de sal, muito acima da recomendação da Organização Mundial da Saúde”, o ministro.
O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia), Edmundo Klotz, acredita que a meta de reduzir o consumo de sal a 5 gramas até 2022 será “tranquilamente superada”. Klotz lembrou os avanços já alcançados, por exemplo, na redução da gordura trans dos alimentos industrializados. “Tiramos ela completamente do m
EcoDebate, 11/08/2014
+ Mais Informações ››››››

Cisternas de enxurrada garantem produção agrícola com água de chuva em comunidades Fundo de Pasto de Uauá, BA

cisterna de enxurradaRegião conhecida nacionalmente como terra do bode e referência em todo Semiárido brasileiro pelo trabalho de beneficiamento de frutas da Caatinga, especialmente o umbu, Uauá, no sertão da Bahia, é um dos municípios contemplados pelo Projeto Mais Água, da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza da Bahia – Sedes, que nesta região é executado pelo Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada – Irpaa.
Ao longo do Projeto, cerca de 180 comunidades do município serão contempladas com um total de 173 implementações, em sua maioria em comunidades de Fundo de Pasto. D. Marlene, D. Adriana e S. João Bosco estão entre as/os beneficiários/as do projeto que já estão usando a água armazenada na cisterna de enxurrada com as últimas chuvas para cultivar alimentos.
Trabalho em família
Marlene Silva de Aquino Almeida, de 30 anos, vive com a filha e o esposo na comunidade de Volta do Rabelo, a 12 km da sede de Uauá. Beneficiária do Mais Água, ela mostra com satisfação os primeiros resultados do projeto, destacando que a chegada da cisterna animou algumas pessoas da sua família a se unirem para cultivar a horta e o pomar ao lado da tecnologia de captação e armazenamento de água da chuva. As chuvas que caíram no mês de dezembro encheu a cisterna e a água vem sendo usada para manter o cultivo de coentro, cebolinha, alface, pimentão, quiabo, mandioca, além de plantas medicinais e fruteiras como mamão, pinha, acerola, maracujá e goiaba.
O cunhado de Marlene, S. Rogério de Almeida, relata que “quando um não pode molhar, o outro molha, a gente tem união pra plantar né, cuidar e cada um ter seu canteiro”. Marlene completa dizendo que não basta apenas a vontade de plantar, mas “tem que saber também cuidar”, diz tomando como base o esforço coletivo que membros das famílias estão tendo para confirmar a eficácia da tecnologia implantada na propriedade. Para Marlene, só o fato de não comprar mais os produtos que agora tem ao lado de casa e todos sem agrotóxicos, já é uma grande contribuição do projeto. À espera da segunda filha, os planos da agricultora são de “futuramente poder vender, poder ajudar a comunidade também, não pensar só na gente”.
Segurança Alimentar e complemento à renda
Na Fazenda São Bento, a cisterna também já está contribuindo para algumas mudanças na família de D. Adriana Cardoso Varjão. Além do consumo de hortaliças como couve e coentro na alimentação cotidiana, tudo produzido de forma orgânica nos canteiros construídos também pelo projeto, a venda do excedente desses produtos na Feira da cidade já é uma realidade.
D. Adriana, que também é criadora de abelhas e preside a Associação de Apicultores da Fazenda São Bento, conta que a família sempre fez plantios de chuva, mas agora experimenta cultivos permanentes a serem irrigados com a água armazenada na cisterna de enxurrada. Junto com o esposo, S. José Carlos Santana, ela vem cuidando da produção e está sempre em busca de mudas, principalmente de fruteiras.
Na área de Fundo de Pasto onde o casal mora com os filhos, além da criação de caprinos e ovinos e da apicultura, a família agora passará também a ter para o sustento, podendo até vender, alimentos como abobrinha, pinha, manga, seriguela, acerola, umbuzeiro, além de ervas bastante usadas na medicina alternativa como capim santo e hortelã.
O adubo utilizado vem dos animais da propriedade e a cisterna possibilita cultivar também alimento para o rebanho, conta D. Adriana, que está apostando também no plantio de forragem como capim e sorgo.
Complementação de tecnologias
Na comunidade de Ouriciu, região de vasta Caatinga, as famílias estão apostando na preservação. A caprinovinocultura, no modo de criação em área coletiva (Fundo de Pasto), ainda é uma das principais fontes de renda. Para complementar esta prática e garantir o armazenamento da água da chuva, S. José Bosco Pedro Mariano conta que está ansioso para cultivar a partir da cisterna de enxurrada que recebeu do governo, através do Irpaa, no Projeto Mais Água.
Os 52 mil litros de água hoje guardados na cisterna serão utilizados para manter cultivos deraízes como mandioca, beterraba, cenoura, planeja S. João Bosco. Uma grande vantagem é que sua propriedade fica ao lado de outra cisterna de enxurrada, a do seu vizinho Antônio Ferreira Matos, também contemplado com o projeto, e ambos compartilham uma área de captação de uma barragem subterrânea, construída pela Articulação do Semiárido (Asa). A barragem, que fica situada entre as duas cisternas, está na terra de S. Antônio, mas o cultivo pode ser feito nas duas propriedades.
Assim, o uso da água da cisterna certamente será menor, permitindo uma economia na irrigação e aumentando a possibilidade de cultivos. Atualmente, nas áreas já estão sendo colhidos legumes como feijão de corda, maxixe, frutas a exemplo de melancia, além de hortaliças. Os agricultores estão vendo se desenvolver também sorgo, banana, limão, acerola, tomate, mamão e até abacaxi.
Saiba mais sobre o Projeto Mais Água
O Projeto Mais água executado pelo Irpaa vai instalar um total de 651 tecnologias de captação e armazenamento de água de chuva e realizar atividades voltadas para a Convivência com o Semiárido em cinco municípios dos Territórios do Sertão do São Francisco, Norte de Itapicuru e Itaparica, na Bahia. Trata-se de um total de 885 famílias dos municípios de Abaré, Curaçá, Uauá, Jaguarari e Andorinhas que além de receber as tecnologias, estão participando de cursos, visitas e intercâmbios.
Em Uauá estão sendo implementados: 77 cisternas de produção; 01 barragem subterrânea; 60 barreiros trincheiras familiares; 05 barreiros trincheiras comunitários; 10 limpezas de aguadas; 20 quintais produtivos.
Texto e Foto: Eixo Comunicação
Fonte: Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada – IRPAA
EcoDebate, 13/08/2014
+ Mais Informações ››››››

Nota do Partido Socialista Brasileiro PSb de Ronda Alta

Ronda Alta, 13 de agosto de 2014
Nota de Pesar
               O Partido Socialista Brasileiro de Ronda Alta, ainda consternado com a notícia do falecimento do Presidente Nacional e candidato à Presidente da República do PSB, Eduardo Campos, vem à público manifestar nota de passar pela perda irreparável desta figura pública. O Brasil acaba de perder um de seus melhores quadros políticos, um homem íntegro e extremamente republicano que amava seu país, seu povo, e acreditava na política honesta.
               Nossos sentimentos aos familiares filiados e simpatizantes pelo duro golpe sofrido na mesma data do saudoso Miguel Arraes. Temos a certeza que   seremos grandes como foram seus sonhos e desejo de um Brasil cada vez mais justo e humano.
                                             Um forte abraço à todos.
                               Odemar Paulo Raimondi
   Vice Prefeito Municipal e Presidente Municipal do PSB 
+ Mais Informações ››››››

Parceiros