Parceiros

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A evolução da ciência e a quebra de paradigmas, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] O cientista procura um modelo, um constructo, matemático ou compreensivo, que de alguma forma seja capaz de reproduzir fenômenos universais ou estabelecer princípios e regras de ocorrências que tenham reprodutibilidade no planeta ou mesmo a nível de cosmos. Muitas são as realidades lineares ou que respondem bem a funções lineares, sejam as mesmas retas dentro da geometria euclidiana ou curvas oscilatórias. Todo mundo sabe que a princípio, na medida em que aumentamos o consumo de gorduras, tende a se ampliar a ocorrência de colesterol. Mas tem fenômenos e suas respectivas grandezas, que não respondem bem a estas equações e que mesmo sistemas de descrição de complexidade matemática relevante não conseguem descrever aceitavelmente. Fatores relacionados com descrições experenciais relacionados a “Teoria do Caos” como a “dependência sensível das condições iniciais”, fatores de aleatoriedade e acumulação subjetiva, como a expectativa dos seres humanos ou fatores volitivos tanto de animais irracionais quanto racionais, associados a princípios de holomorfismo tão consensuais nas ciências da Terra, com princípios de capilaridade e vascularização, que demonstram total analogia com sistemas fractais e que se relacionam com contatos gradacionais entre rochas profundas, princípios de medicina ortomolecular que guardam analogia com a lei dos mínimos de Liebig ou raciocínios da homeopatia, e outros, que podem se relacionar com o princípio das propriedades emergentes descrito por ODUM (1988) e outros. Mas sabe-se que tudo isto significa quebra de paradigmas, alterações drásticas em conceitos prévios usados como premissas de hipóteses e toda uma nova estruturação de concepções, mas que é uma coisa tão necessária para que se possa fazer abordagens relevantes na questão ambiental. De alguma forma, traçar todas estas relações é um desafio que temos consciência de mal rasparmos na superfície de tudo que pode ser feito neste campo do conhecimento, desde a descrição de fenômenos, até a compreensão dos mesmos e sua generalização em um modelo representativo e significante da realidade. Os sistemas naturais apresentam mudanças significativas na maneira como funcionam mesmo quando permanecem dentro do mesmo padrão global, de forma que certas fronteiras críticas que definem este padrão não podem ser transpostas sem que este equilíbrio seja ameaçado. Traduzindo para exemplos de fácil compreensão poderíamos dizer que é a gota de água que transborda o copo, ou de como a movimentação das asas de uma borboleta em Pequim, altera a condição dos ventos em Cuiabá. Coisas que aparentemente não tem nenhum sentido, mas estão relacionadas por equilíbrios frágeis e complexos. Tem fatos naturais que não guardam as mesmas leis de organização que estamos acostumados a saber, não tem geometria, não são passíveis de descrições por algoritmos matemáticos lineares ou logarítmicos, mas nem por isso deixam de existir. São as chamadas ordens naturais não-lineares ou fractais ou nem compreendidas. Na análise dos impactos ambientais existem vinculações com o espaço, o tempo e a ciclicidade. Isto implica interação com o equilíbrio endógeno (interno) e exógeno (externo). É como quando alguém adoece. Uma dor de estomago atrapalha muito qualquer outra atividade e interfere no conjunto da saúde. Existem relações ainda não completamente descritas entre várias ocorrências da civilização, com fatores de clima, condições naturais ou interferências antrópicas, que desequilibram o meio natural. Podem se citar exemplos bem prosaicos e ao nosso alcance, como as monoculturas e as ações históricas dela decorrentes. Que tornam os ecossistemas muito vulneráveis ou frágeis. De fato, muitas das conexões demonstradas tiveram conseqüências registradas e demonstradas sobre eventos históricos, mas não é possível afirmar que a abordagem reducionista aplicada, limitando os fatores para explicar os fatos, possam resistir a análises mais completas. Complexidade é isto, são inúmeros fatores, geralmente muito além do que a gente possa citar ou analisar e que estão envolvidos com a ocorrência. Todo mundo associa a gordura com os níveis de colesterol, e está certo. Mas não é o único fator, tem sedentarismo, e vários outros itens que a medicina cita. Conseguir vincular todos os itens relevantes e as relações entre eles numa análise de impacto ambiental é um grande desafio, bastante difícil de atingir mesmo que se tenha extrema boa vontade, e esta é a importância de tentar compreender ou conceber que a natureza tem um padrão de ordem natural que dentro das concepções lineares e cartesianas muitas vezes é visto como um padrão de desordem. Na visão de mundo apresentada por várias religiões orientais antigas, é destacada a experiência de viver a unidade em um corpo integrado física e mentalmente, vale dizer emocionalmente. O mesmo pode ser dito para a maioria das intervenções antrópicas sobre o meio natural. Deve resguardar sua unidade tanto fisiológica quanto funcional. Para estas escolas do pensamento humano, enquanto a sociedade humana viver dicotomias que precipitam comportamentos desintegrados, a vida será entendida como um processo de aquisições sem compromisso. E sabemos que não é assim, talvez nossa maior festividade seja o compromisso celebrado quando um homem e uma mulher casam. Talvez tenha que ser assim com o mundo um dia. Apenas a sensação de integração entre a vida e os sentimentos que são criados ou propagados pelas vivências é que poderão transformar o prazer de ter no prazer de ser, conforme já amplamente demonstrado por CRISTOPHER LASCH em 1986, no seu livro “The minimal self” (O mínimo eu). O aprofundamento desta discussão talvez possa ser resumido na conscientização de que novos paradigmas geram novas formas de visão e abordagem. Deste processo resultam novos valores éticos e humanos que vão se tornar relevantes em todas as dimensões da vida. Mas o objetivo desta discussão era iniciar esta abordagem holística e sistêmica das várias ciências, que se propõe de alguma forma a subsidiar abordagens que modernamente são essenciais na descrição e interpretação realizada pelas ciências ambientais. A abordagem deste texto deixa bem claro que a “Teoria do Caos” não representa nenhuma teoria mágica capaz de subsidiar visões dentro do campo ambiental, seus princípios apenas podem contribuir no cenário interpretativo, tanto quanto princípios das ciências da Terra, da moderna ecologia, da medicina que lida com seres naturais, da economia onde se empregam teorias de expectativas como a teoria dos jogos e outros. Em momento algum se argumenta que estes princípios possam responder sozinhos pelas descrições dos cenários. Tampouco se abandona a visão científica tradicional, lógica formal, aristotélica e cartesiana na descrição dos fenômenos. Apenas se propõe que a costura destes variadas abordagens deve ser utilizada no emolduramento dos cenários de vários fenômenos da natureza, que por variadas razões não são passíveis de serem descritos dentro de uma visão especificamente cartesiana e linear. Através da descrição do relacionamento de variados princípios que aparentemente são desconectados, se busca uma justificativa plena e argumentada da validade de emprego destas conceituações nas variadas formas de interpretação dos fenômenos da natureza. Existe plena consciência das limitações que se tem ao propor relacionamentos que certamente não ganharão significação e de outros que serão muito mais validados e ampliados. Neste sentido compreende a ciência como instrumento de especulação, formulação de ideias e princípios e disseminação de conhecimentos que vão ganhar maturidade e relevância em muitas ideias e serão descartados como não-validados ou pouco significantes em outras abordagens propostas. ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988. Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale. EcoDebate, 18/09/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros