Parceiros

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Sistemas agroflorestais atuam no combate à emissão de gases efeito estufa


Diagnóstico é fruto de pesquisa elaborada por técnicos e agricultores do projeto Agroflorestar (da Cooperafloresta), em parceria com Embrapa-Florestas, Universidade Federal do Paraná e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, que compara a fixação de carbono nas agroflorestas com manejo sustentável à regeneração natural em florestas.
[Por Josi Basso, jornalista, para o EcoDebateMaximizar renda, fixar famílias agricultoras em suas terras, gerar condições dignas de vida, proporcionar consciência ambiental e, como resultado, atuar no combate à emissão de gases efeito estufa. Parece utopia. Mas é a realidade do Projeto Agloflorestar, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental.
Os dados do Projeto, executado pela Cooperafloresta – Associação dos Agricultores Agroflorestais de Barra do Turvo/SP e Adrianópolis/PR – podem ser aferidos por meio de informações comprovadas por pesquisas realizadas em parceria com Universidade Federal do Paraná, Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMbio).
A pesquisa, ainda em fase de finalização, comprova que o manejo sustentável dos recursos naturais nas agroflorestas contribui de forma significativa para a fixação de carbono se comparado à mesma taxa em florestas em regeneração natural. Os diagnósticos são decorrentes de análise científica realizada por pesquisadores, técnicos e agricultores do Agloflorestar e das Instituições parceiras.
A análise, denominada ‘Estoques de carbono nas florestas’, é baseada na elaboração, implantação e manutenção de estudos em ecossitesmas produtivos, que mantenham a diversidade, a resistência, e a estabilidade dos ecossistemas naturais em áreas da Mata Atlântica, de atuação da Cooperafloresta. Aliado a isso, nas áreas avaliadas, as famílias agricultoras agloflorestais ligados à Associação tem o trabalho fortalecido, seja no incremento de renda, produção, agroindustrialização, certificação e comercialização dos seus produtos. No total, são 300 famílias agricultoras e quilombolas envolvidas.
O experimento foi desenvolvido em 16 agroflorestas para a caracterização da estrutura florestal. Nesta seleção, foram incluídas agroflorestas de diferentes idades, em distintas condições de solo e relevo e conduzidas sob variações amplas de manejo. “O manejo agroflorestal comprovadamente se reflete na dinâmica do carbono, aponta para a possibilidade de agregar carbono, produção de alimentos e biodiversidade nos mesmos espaços”, esclarece o doutor Walter Steenbock – engenheiro agrônomo e pesquisador do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMbio), coordenador do estudo.
Proposta da pesquisa
A proposta da pesquisa ‘Estoques de carbono nas florestas’, do Projeto Agloflorestar, é identificar como o manejo sustentável dos recursos naturais nas agroflorestas pode atuar no combate à emissão de gases efeito estufa.  As estimativas realizadas já demonstram que a quantidade de carbono que é fixada a cada ano de crescimento de uma agrofloresta é muito superior à esta taxa em floretas em regeneração natural.
Avaliação
Para a avaliação, foram realizados coletas de solo e de serapilheira, além de levantamentos fitossociológicos em 16 agroflorestas.
Indicadores químicos de qualidade do solo, estoque de carbono e a taxa de decomposição de resíduos, quando comparados com áreas de regeneração vegetativa natural, apontam resultados positivos, com uma reversão produtiva, no momento, de 749 halqueires (ha). Além da amplia
O balanço de carbono, somado aos impactos positivos da agricultura agroflorestal, que produzem bens e serviços mensuráveis, aponta o sucesso do trabalho da Cooperafloresta, que estamos comprovando em campo com a pesquisa ‘Estoques de carbono nas florestas’”, avalia o pesquisador Walter Steenbock.
O estoque acumulado de carbono em florestas com regeneração natural não tem sido capaz de compensar as expressivas emissões de gases de efeito estufa, de acordo com a necessidade do planeta, como tem sido preconizado. Tal compensação, comprovadamente, só tende a incrementar a redução da biodiversidade e, de forma indireta, aumentar o próprio efeito estufa”, frisa Steenbock.
O grande contingente populacional no meio rural, implementando práticas produtivas que gerem fertilidade do solo, biodiversidade, fixação de carbono e qualidade de vida é o que se faz necessário para se evitar a escassez de recursos naturais”, conclui o coordenador do estudo Walter Steenbock.
Realização
A pesquisa ‘Estoques de carbono nas florestas’ é resultado da parceria entre oProjeto Agroflorestar patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental. Há ainda cerca de 30 Instituições parceiras, nas esferas Estadual e Federal, além de Universidades e Escolas Públicas envolvidas no trabalho.
Sobre o Agroflorestar
O Projeto Agloflorestar adota a ferramenta de cultivo e produção agrícola sustentável, já que não permite monoculturas, pesticidas, transgenia e garante o trabalho sustentável dos produtores rurais agroflorestais. Consiste na elaboração, implantação e manutenção de ecossistemas produtivos que mantenham a diversidade, a resistência, e a estabilidade dos ecossistemas naturais, promovendo energia, moradia e alimentação humana de forma harmoniosa com o ambiente.
Sobre a Cooperafloresta
A Cooperafloresta, fundada em 2003, atua diretamente com 110 famílias agricultoras e Quilombolas. Promove o fortalecimento da agricultura familiar assessorando os processos de organização, formação e capacitação das famílias agricultoras, planejamento dos sistemas agroflorestais, além do beneficiamento, agroindustrialização, certificação participativa e comercialização da produção.
EcoDebate, 23/08/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros