Parceiros

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Policia Civil volta a acreditar em homicídio no caso de indígena encontrada morta em Três Palmeiras


Laudo preliminar do IGP apontou que pancada ocasionou hemorragia cerebral que matou menina de 13 anos

A Polícia Civil de Ronda Alta voltou a trabalhar com a possibilidade de homicídio no caso da adolescente indígena que teve o corpo encontrado no domingo, às margens do km 88 da ERS-324, em Três Palmeiras, no Noroeste gaúcho. De acordo com o delegado Luiz Fernando de Azevedo, um laudo preliminar do Instituto Geral de Perícias de Passo Fundo apontou que a menina morreu em função de um quadro de hemorragia cerebral resultante de trauma medular gerado por uma pancada ou queda. Azevedo chegou a descartar homicídio, já que agentes do IGP, que estiveram no local, afirmaram que aparentemente o corpo não tinha sinais de atropelamento, agressão fisica ou sexual, apesar de apresentar hematomas na região do pescoço, mas disse que no momento, essa vai ser a linha trabalhada pela polícia.
 
Ouvindo familiares e moradores da reserva indígena Alto Recreio, onde Naiara Reis, de 13 anos, havia passado a morar, duas semanas atrás, o delegado descobriu que a garota participou de uma festa, no sábado à noite, com ingestão de bebida alcoolica, em uma residência índigena, próximo ao local onde ela foi encontrada morta. A polícia esteve na residêcia, mas o proprietário não foi encontrado. A investigação tenta agora, segundo o delegado, chegar às pessoas que participaram do evento, para se ter certeza do que ocorreu naquela noite.

Naira pertencia à aldeia Condá, em Chapecó (SC), e aproveitou uma visita de integrantes da Alto Recreio para viajar à cidade gaúcha sem autorização dos pais, que deram falta de Naiara, mas pensaram que ela havia ido visitar familiares na região. Moradores da casa em que a garota passou a morar, em Ronda Alta, relataram à polícia que ela saiu de casa, por volta das 11h de sábado, para dar um passeio, e não voltou mais.


     Ouça o áudio: Delegado responsável pelo caso, Luiz Fernando de Azevedo
Fonte: Maria Eduarda Fortuna/Rádio Guaíba

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiros